Meu carrinho de compras
Carrinho Vazio
Rastrear minha compra
Meu carrinho

The Modernized Philidor Defense

0 Opiniões

De R$ 230,00
Por:
R$ 199,00
Economize  R$ 31,00

ou 12x de R$ 20,54 com juros Cartão Hipercard - Yapay
 
Simulador de Frete
- Calcular frete
Calcular frete:
Descrição Geral

The Modernized Philidor Defense - Sergio Trigo Urquijo

 

“Os peões são a alma do xadrez.” Todos nós já ouvimos esta frase mais de uma vez na nossa vida e devemos isso ao grande jogador francês François-André Danican, o chamado Philidor, considerado um dos melhores enxadristas do século 18.

Não é de surpreender que com essa forma de pensar ele tenha revolucionado o xadrez, que até então consistia quase totalmente em ataques diretos ao rei. Com isso, também mudou a forma de entender e jogar as aberturas, na qual introduziu um novo conceito para a época – que os peões deveriam estar à frente das peças.

Tendo isso em mente, pode-se entender muito melhor a defesa que ele criou, na qual todas essas regras são cumpridas e a importância da estrutura de peões é máxima.

A princípio, sua ideia era jogar esta abertura na ordem de 1.e4 e5 2.Cf3 d6 e demorou algum tempo até que se descobrisse que o lance 3.d4 era a melhor resposta, e a que dava mais às pretas. dificuldade. Foram feitas tentativas de fazer 3…Cf6 e 3…Cd7 funcionarem, mas concluiu-se, depois de muita prática, que as pretas não conseguiram igualar. Porém, o conceito era claro e a defesa não caiu em desuso.

A partir daí, esta defesa foi variando suas ordens de movimento até que finalmente se percebeu que a melhor forma de jogar seria 1.e4 d6 2.d4 Cf6 3.Cc3 e5.
A popularidade desta abertura mudou ao longo dos anos, mas sempre viveu em segundo plano, atrás das aberturas mais convencionais como a Espanhola, a Sicilianaou a Francesa, entre outras.

Porém, com o rápido desenvolvimento do campo da teoria que tivemos (e temos hoje) graças aos motores, as principais aberturas foram preenchidas com uma quantidade de teoria que é praticamente impossível de lembrar. Isso significa que cada vez mais pessoas estão decidindo pesquisar e jogar outras aberturas que muitas vezes são mais fáceis de entender, e a quantidade de linhas necessárias para estudar é muito menor. Além disso, em muitas ocasiões, são estas linhas que realmente surpreendem os nossos adversários.

Embora a Defesa Philidor ainda possa ser considerada uma abertura secundária, muitos Grandes Mestres a utilizam com alguma regularidade. Minha ideia inicial era nomeá-los, mas são tantos que é impossível. Para dar uma pequena lista, esta defesa foi utilizada por, entre muitos outros, Magnus Carlsen, Maxime Vachier-Lagrave, Fabiano Caruana, Vassily Ivanchuk, Alexander Grischuk, Teimour Radjabov e Pavel Eljanov. Eles são apenas um pequeno exemplo entre o oceano de Grandes Mestres que o jogaram.

Para entender melhor, como disse antes, e além de conhecer os movimentos específicos, acho fundamental reconhecer as estruturas de peões que vão se formar. Por isso, vou mostrar aqui algumas estruturas padrão que veremos ao longo dos diferentes capítulos:

- Estrutura simétrica

- Estrutura após captura em d4

- Estrutura Saemisch

- Centro fechado

- Estrutura Siciliana

- Estrutura padrão

- Peçoes dobrados e isolados

Como expliquei no prefácio, foi graças a esta estrutura e ao quanto me surpreendeu que fui apresentado ao mundo desta abertura. À primeira vista parecem terríveis, mas têm uma grande virtude: controlam todos os quadrados centrais. Isso é muito importante porque: se olharmos para a posição da qual isso é derivado (depois de 1.e4 d6 2.d4 Cf6 3.Cc3 e5 4.dxe5 dxe5 5.Dxd8 + Rxd8 6.Bc4 Be6 7.Bxe6 fxe6), nós podemos ver que, com exceção dos bispos de casas claras, o resto das peças menores estão no tabuleiro, especialmente os cavalos. Isso significa que nossos peões e5 e e6 controlam muito bem as peças brancas e não é fácil para eles encontrar casas fortes. O plano do nosso oponente é melhorar os seus cavalos procurando casas a partir das quais atacar o peão em e5, uma vez que e6 não é alvo. Esses quadrados são geralmente d3 e c4. Portanto, as manobras mais repetidas serão f3-Nh3-Cf2-Nd3 e Nb1-Nd2-Nc4. Mesmo que as brancas consigam posicionar seus cavalos da maneira ideal, o peão-e5 estará muito bem defendido, geralmente com um bispo em d6 e um cavalo em d7 ou c6. Mas nem tudo na vida será defender com as Pretas. Esta estrutura nos dá um contra-jogo considerável na ala da dama, que expandiremos em…a6,…b5 e…c5. Embora o objetivo principal seja jogar deste lado, também é possível criar contra-jogo na ala de rei. Isto pode ser contemplado porque há apenas uma coluna aberta (a coluna d) para as torres, mas as brancas não serão capazes de explorá-la. Por esta razão, as torres pretas estarão livres, a partir da última fila, para lançar os seus peões para frente em ambos os lados.

 

Idioma: inglês

Paginas: 412

Editora: Thinkers Publishing

Ano de publicação: 2021

 

 

 

 

 

 

Formas de Pagamento
Ficha técnica
Código 7091
Categoria LIVROS DE XADREZ
Avaliações

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Produtos visitados